...num sonho infinito...

Uma duquesa, até mesmo uma princesa.

sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2010

Era uma casa...


Era uma casa
Muito engraçada
Não tinha tecto
Não tinha nada
Ninguém podia
Entrar nela não
Porque na casa
Não tinha chão
Ninguém podia
Dormir na rede
Porque na casa
Não tinha parede
Ninguém podia
Fazer pipi
Porque penico
Não tinha ali
Mas era feita
Com muito esmero
Na Rua dos Bobos
Número Zero

Vinicius de Moraes

terça-feira, 16 de Fevereiro de 2010

Não me chega esta Terra...

«Não esteja na lua
desça à Terra.»
E o menino a replicar:
«Não me chega esta Terra.»
«Seja realista, terra a terra.»
«Mas eu sou do tipo ar, ar.»
E os olhos do menino
já eram balões quando a professora
lhe ordenou que saísse.
Despediu-se da colega e disse:
«Conto estrelas em ti.»
Ao sair, deixou na mesa da professora
o mais bonito avião de papel
que se possa imaginar.
Era uma prenda desesperada
de um menino triste
por não a poder contagiar.
Na sala, um silêncio ficou suspenso
por palavras que também quiseram
voar.

Teresa Guedes

segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2010

Cavalinho branco

À tarde, o cavalinho branco
está muito cansado:

mas há um pedacinho do campo
onde é sempre feriado.

O cavalo sacode a crina
loura e comprida

e nas verdes ervas atira
sua branca vida.

Seu relincho estremece as raízes
e ele ensina aos ventos

a alegria de sentir livres
seus movimentos.

Trabalhou todo o dia, tanto!
desde a madrugada!

Descansa entre as flores, cavalinho branco,
de crina dourada!

Cecília Meireles

quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2010

Rosa, de pétalas de cetim...

Jasmim! Jasmim! Jasmim!
Queres morar no meu jardim?
Diz que sim! Diz que sim!
Queres que te leve o tufão?
Diz que não! Diz que não!
Queres que te colha a Inês?
Diz talvez! Diz talvez!

Jasmim! Jasmim! Jasmim!
Tens pétalas de cetim?
És branquinho e não carmim?
Tens aromas só para mim?

- Sim!

Rosa Lobato de Faria

sexta-feira, 25 de Dezembro de 2009

O Menino de Jesus Nasceu...

@

O Menino está deitado
Nas palhinhas a chorar
Treme de frio, coitado
Que a neve baila no ar.

Quem virá para o aquecer?
Quem se chega à sua beira?
Dar-lhe um manto de abafar
Ou calor de uma fogueira.

Vem o pastor a aquecê-lo
Vem o pastor com seu anho
A dar-lhe um manto de pêlo
Das ovelhas do rebanho.

Mas o menino 'inda chora!
Não lhe dá calor o manto
E vai-se o pastor embora
Sem poder calar-lhe o pranto.

Vem uma serrana e logo
Julga aquecer o Infante
Traz brasas, traz lume, traz fogo,
Vai calar-se num instante.

Mas o menino, 'inda chora!
O frio que sente é tanto!
E vai-se a serrana embora
Sem poder calar-lhe o pranto.

Vem depois um pequenino
Que traz nas mãos? Não traz nada!
Vem aquecer o menino
Trazido pela geada!

Chega junto à manjedoura
Dá-lhe um beijo. Que acontece?
Já tem calor, já não chora.
E então Jesus adormece.
CoolKids

domingo, 20 de Dezembro de 2009

O Inverno está a chegar...

Cai a chuva

ping... ping...



Sopra o vento

cai a chuva

vum... vum...

ping... ping...



Cai a neve

sopra o vento

cai a chuva

floc... floc...

vum... vum...

ping... ping...



Lourdes Custódio

segunda-feira, 14 de Dezembro de 2009

Pinheirinho


Pinheirinho, pinheirinho
De ramos verdinhos
P'ra enfeitar, p'ra enfeitar
Bolas, bonequinhos.

Uma bola aqui
Outra acolá
Luzinhas que tremem
Que lindo que está.

Olha o Pai Natal
De barbas branquinhas
Traz o saco cheio
De lindas prendinhas.

Pinheirinho, pinheirinho
De ramos verdinhos
P'ra enfeitar, p'ra enfeitar
Bolas, bonequinhos.

Canção Popular

sexta-feira, 11 de Dezembro de 2009

@

Foi preciso abandonar as sandalinhas de cristal
esquecê-las num desenho antigo
cortar esta ou aquela amarra
deixar de contar com a fada
acolher a palavra surpresa
não me esconder da cor
aceitar sabor diferente
para quase quase
conseguir ser
esboço de
princesa.

Teresa Martinho Marques

sábado, 5 de Dezembro de 2009

Boneco de Neve

Enquanto a mamã esfregava
o frio dos pés
com rugas de Inverno prematuro
e o papá porque o era de corpo inteiro
puxava o pingo teimoso do nariz,
o menino brincava
porque sim...

Era por isso que a neve caía no quintal
e o menino desenhava
sobre o tapete branco
com um pau de giz
sem se dar conta que os riscos profundos
arrepiavam o pêlo
do Gató com assento
no Inverno
(No Inverno dos Gatós, claro está, que só começa
em Dezembro.)

Mas depressa se fartou:
fez um boneco de neve,
pôs-lhe o chapéu do papá a vapor
que o tornou ainda mais leve.
A vida é assim! – diz a mamã –
o que tem de ser será amanhã,
se não for hoje.
E foi aí que o menino percebeu
que o chafariz do boneco era uma cenoura
para acabar com o pinga-pinga do nariz do papá.
E teve de ficar sem pés, o boneco de neve,
que o menino os comeu com sabor a chocolate
por causa do Inverno frio
como espinhos de porco
nos pés da mamã.
Por essa razão é que o abominável boneco-tão-lindo
quis a vassoura da praxe
que o céu dos bonecos castigou
fazendo crescer no chapéu uma daquelas minhocas
que os adultos têm escondidas na cabeça
para certas teimosias.
Está visto que isso não aqueceu o Inverno
nos pés da mamã,
nem secou o chafariz do papá.

Ah! – suspirou o menino.
Que lindo que o boneco está!
O que ele não seria
se tivesse nevado de verdade.
Sousa Rutra

quarta-feira, 2 de Dezembro de 2009

Ó-ó, ó-ó...

@

Se tu fosses um peixinho
Não te tirava do mar,

Nada, nada, nada...
Nada, nada, nada...

Se tu fosses um passarinho
Tirava-te da gaiola,

Voa, voa, voa...
Voa, voa, voa...

Se tu fosses uma estrela
Ia ter contigo ao céu

Brilha, brilha, brilha...
Brilha, brilha, brilha...

Mas tu és eu e eu sou tu
E vamos fazer ó-ó, ó-ó...

Dorme, dorme, dorme...
Dorme, dorme, dorme...

E agora somos um só
E vamos fazer ó-ó, ó-ó...

Dorme, dorme, dorme...
Dorme, dorme, dorme...

Nuno Rodrigues

domingo, 29 de Novembro de 2009

Lua Cheia

Mãe, a Lua está tão cheia!
Tão cheia!
Não se vai entornar?
A mãe abraçou o filho
Com seus braços de Lua Nova
Com seu coração de Quarto Crescente
E contou-lhe devagarinho
A história do Quarto Minguante.

Matilde Rosa Araújo

sábado, 28 de Novembro de 2009

Dorme meu menino...

Dorme meu menino a estrela d'alva
Já a procurei e não a vi
Se ela não vier de madrugada
Outra que eu souber será p'ra ti

Outra que eu souber na noite escura
Sobre o teu sorriso de encantar
Ouvirás cantando nas alturas
Trovas e cantigas de embalar

Trovas e cantigas muito belas
Afina a garganta meu cantor
Quando a luz se apaga nas janelas
Perde a estrela d'alva o seu fulgor

Perde a estrela d'alva pequenina
Se outra não vier para a render
Dorme qu'inda a noite é uma menina
Deixa-a vir também adormecer

José Afonso

quarta-feira, 25 de Novembro de 2009

As Fadas

Do seu longínquo reino cor-de-rosa,
Voando pela noite silenciosa,
A fada das crianças vem, luzindo.
Papoulas a coroam, e, cobrindo
Seu corpo todo, a tornam misteriosa.
À criança que dorme chega leve,
E, pondo-lhe na fronte a mão de neve,
Os seus cabelos de ouro acaricia -
E sonhos lindos, como ninguém teve,
A sentir a criança principia.

E todos os brinquedos se transformam
Em coisas vivas, e um cortejo forma:
Cavalos e soldados e bonecas,
Ursos e pretos, que vêm, vão e tornam,
E palhaços que tocam em rabecas...

E há figuras pequenas e engraçadas...
Que brincam e dão saltos e passadas...
Mas vem o dia, e, leve e graciosa,
Pé ante pé, volta a melhor das fadas
Ao seu longínquo reino cor-de-rosa.

Fernando Pessoa

quinta-feira, 19 de Novembro de 2009

Beija... beija...


É o beija-flor
que beija a flor
ou é a flor
que beija o beija-flor?


José Paulo Paes

segunda-feira, 16 de Novembro de 2009

Cantiga da Babá

Eu queria pentear o menino
como os anjinhos de caracóis.
Mas ele quer cortar o cabelo,
porque é pescador e precisa de anzóis.

Eu queria calçar o menino
com umas botinhas de cetim.
Mas ele diz que agora é sapinho
e mora nas águas do jardim.

Eu queria dar ao menino
umas asinhas de arame e algodão.
Mas ele diz que não pode ser anjo,
pois todos já sabem que ele é índio e leão.
.
(Este menino está sempre brincando,dizendo-me coisas assim.
Mas eu bem sei que ele é um anjo escondido,um anjo que troça de mim.)

Cecília Meireles

sábado, 14 de Novembro de 2009

Chove... chove...

Chovem duas chuvas:
de água e de jasmins
por estes jardins
de flores e nuvens.

Sobem dois perfumes
por estes jardins:
de terra e jasmins,
de flores e chuvas.

E os jasmins são chuvas
e as chuvas, jasmins,
por estes jardins
de perfume e nuvens.

Cecília Meireles

quinta-feira, 12 de Novembro de 2009

A Bailarina

Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina.

Não conhece nem dó nem ré
mas sabe ficar na ponta do pé.

Não conhece nem mi nem fá
mas inclina o corpo para cá e para lá.

Não conhece nem lá nem si,
mas fecha os olhos e sorri.

Roda, roda, roda com os bracinhos no ar
e não fica tonta nem sai do lugar.

Põe no cabelo uma estrela e um véu
e diz que caiu do céu.

Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina.

Olavo Bilac

quarta-feira, 11 de Novembro de 2009

Quero ser..

Quero ser, num sonho infinito
uma duquesa, até mesmo uma princesa,
morar numa casa de encantar,
de chocolate, ou até mesmo algodão.
Ter alegria e fazer magia
com a minha varinha de condão.

Quero por fim ser criança
Hoje, amanhã e sempre,
Numa alegria constante
d'um sonho atordoante.


Patrícia Pereira
 
Designed by Susana Lopes